Doença de Chagas: transmissão, tratamento, sintomas e prevenção

médico escutando no estetoscópio seu paciente

Cientistas descobriram recentemente o motivo pelo qual as populações indígenas da Amazônia são menos afetadas pela doença de Chagas: elas sofreram adaptações no DNA ­­­­­— molécula que apresenta todas as informações genéticas de um ser vivo e de alguns vírus.

Essas adaptações promoveram a capacidade de bloquear a entrada do agente causador da doença de Chagas nas células, tornando assim os indivíduos resistentes à doença.

Neste artigo, você encontra informações sobre o que é a doença de Chagas, quais são os modos de transmissão, quais são os sintomas, como é realizado o tratamento e, o mais importante, como prevenir. Continue a leitura!

O que é a doença de Chagas?

A tripanossomíase americana é mais conhecida como doença de Chagas, por receber o nome do sanitarista brasileiro que a identificou, Carlos Chagas, uma forma de homenageá-lo.

É uma doença infecciosa causada por um parasita, o protozoário Trypanosoma cruzi, e transmitida por um inseto, conhecido em muitas regiões como barbeiro, mas que também pode ser chamado de chupão, procotó, bicudo e vum-vum.

A Região Norte é a mais afetada no Brasil, com 138 casos em 2020.

A doença de Chagas tem duas fases, a aguda e a crônica. A fase aguda, por vezes, passa despercebida e acaba evoluindo para a crônica. Na fase crônica, a doença apresenta-se em quatro formas:

  • indeterminada;
  • cardíaca;
  • cardiodigestiva;
  • digestiva.

O tratamento é realizado por meio de medicamentos da classe dos antiprotozoários.

Como ocorre a transmissão?

A transmissão ocorre pelas fezes do barbeiro e pode apresentar várias formas. É importante ressaltar que ela não ocorre diretamente por meio da picada, sendo muito comum que o inseto defeque depois de picar um animal ou uma pessoa.

Confira os modos de transmissão da doença de Chagas, nos tópicos a seguir.

Transmissão vetorial

É aquela que ocorre justamente por meio das fezes do inseto, portanto do vetor. Ao picar, o inseto defeca na pele do indivíduo e, ao coçar, esse indivíduo acaba infectando-se por levar as fezes contaminadas com o parasita para dentro da ferida.

Transmissão por via oral

Ocorre pela ingestão de alimentos contaminados com o inseto ou com suas fezes. Esses alimentos podem ser também carne crua ou malpassada de animais provenientes de caça e contaminados pelo parasita causador da doença.

Transmissão vertical

Esse tipo de transmissão ocorre através da via placentária, durante a gestação ou no parto, tanto na fase aguda quanto na fase crônica.

Transmissão transfusional

Ocorre por meio da transfusão de sangue. Com as técnicas atuais de controle dos serviços de hemoterapia e qualidade do sangue doado, o Brasil tem conseguido reduzir a incidência da doença por esse tipo de transmissão.

Transmissão por acidentes laboratoriais

Podem ocorrer acidentes laboratoriais com a manipulação de sangue humano ou de animais contaminado, com a exposição a fezes contaminadas ou com culturas do protozoário.

Quais são os sintomas?

Na fase aguda, o indivíduo pode apresentar sintomas inespecíficos, como:

  • febre por mais de sete dias;
  • fraqueza;
  • vômitos;
  • ausência de apetite;
  • dores de cabeça;
  • dores musculares;
  • manchas avermelhadas na pele.

Com o avanço da doença, os sintomas passam a ser mais específicos, como:

  • manifestações de problemas cardíacos;
  • inchaços pelo corpo;
  • tosse;
  • falta de ar;
  • dor torácica;
  • palpitações;
  • arritmias;
  • aumento do fígado e/ou do baço.

Já na fase crônica, a manifestação dos sintomas vai depender da forma da doença. Por exemplo, na forma indeterminada, a pessoa pode não apresentar sintomas por toda a vida ou evoluir para a forma cardíaca, digestiva ou cardiodigestiva.

Na forma cardíaca, que ocorre em cerca de 30% dos casos crônicos, pode ocorrer quadros de miocardiopatia dilatada — afetando as funções e o tamanho do coração — e insuficiência cardíaca congestiva.

Na forma digestiva, ocorre o comprometimento do aparelho digestivo, podendo evoluir para quadros de dilatação e alongamento do intestino grosso e do esôfago — megacólon e megaesôfago, respectivamente.  

A forma cardiodigestiva é a associação dos quadros da forma cardíaca e digestiva.

Como prevenir a doença de Chagas?

A principal forma de prevenção é controlar a proliferação do inseto, por ser o vetor da doença em casos de transmissão vetorial.

Outras medidas preventivas podem ser aplicadas com base nas outras formas de transmissão, por exemplo:

  • transmissão oral: cozinhar alimentos acima de 45°C;
  • transmissão vertical: realizar exames laboratoriais nas gestantes (tratamento em crianças menores de um ano proporciona a cura em 90% dos casos).

Conhecer e entender mais sobre a doença de Chagas é essencial para adotar medidas preventivas. Os infectados podem permanecer com o protozoário no organismo por toda a vida, sendo indispensável o acompanhamento médico da infecção para evitar complicações nas formas da doença na fase crônica.

Faça a sua parte e compartilhe este conteúdo em suas redes sociais. Ajude a divulgar informações úteis sobre a doença de Chagas!

Um comentário sobre “Doença de Chagas: transmissão, tratamento, sintomas e prevenção”
Deixe um comentário